A minha experiência nas praxes

setembro 17, 2016

Vamos continuar com os posts de regresso às aulas e hoje venho falar-vos das praxes. Para isso deixo-vos um texto, um pouco longo confesso, que escrevi o ano passado sobre o tema.

Hoje venho falar de um assunto um pouco temido por uns e que deixa saudades a outros. São as praxes. Está na altura começarem as aulas e uma das dúvidas que surge neste momento são as praxes. Como são, se vale a pena, se devem ou não participar. Eu já fui praxada e por isso decidi deixar o meu ponto de vista neste texto.
Começo por dizer que, como a maioria deve saber, as praxes divergem de universidade para universidade, de curso para curso. Há praxes mais puxadas que outras, mais divertidas que outras. Mas tenho a dizer que a minha experiência é bastante positiva.
Digo-vos que eu sempre fui muito tímida e envergonhada, pensava que não me ia sentir bem nas praxes, que ia acabar por desistir, mas não. Fui para lá com espírito de brincadeira e a pensar que não era a única naquela situação e posso dizer que ajudou para que crescesse um pouco, ajudou-me a ser uma pessoa melhor.


Também sentia receio de que se não participa-se nas praxes ia acabar por ser posta de lado. Mas isso ali não acontecia. Mesmo quem não quis ser praxado nunca foi posto de lado, pelo contrário, éramos todos unidos, quer caloiros, quer praxantes. Ninguém é obrigado a nada. Mesmo quem é praxado pode dizer “não” a algumas atividades. Isto é uma coisa que muitos caloiros não sabem, eu própria não sabia, mas é verdade. E caso obriguem podem sempre fazer queixa. Não é preciso ter medo de nada. Se bem que, confesso, às vezes podem meter um pouco de medo. Claro que também não podem ir para la dizer que não a tudo, para isso mais vale desistir das praxes. Estamos ali todos para brincar, para nos conhecermos, para integrar os nossos alunos. E sim as praxes servem para integrar, visto que a maioria de nós vai para lá sem conhecer nada nem ninguém e são os alunos mais velhos, neste caso os praxantes, que nos vão ajudar. Mas não ajudam apenas a integrar. É com as praxes que também vão conhecer outras pessoas de outros grupos, o que pode ser muito bom. Experimentem pelo menos, só assim podem saber se gostam ou não. Caso não gostem podem sempre desistir.


A duração das praxes também depende de universidade para universidade. Há as que duram apenas duas, três semanas e depois têm praxe uma vez por semana até à semana académica, as chamadas quintas-feiras negras, pelo que eu já ouvi falar.
Eu andei num politécnico e lá as praxes são cinco, seis semanas de praxe, de segunda a quinta depois também podem ou não fazer essas quintas-feiras negras caso a comissão de praxe queira. Eu não tive.


Onde andei a hierarquia é simples. Os de primeiro ano são caloiros e passam a académicos no dia da serenata, ou seja, o dia que trajam pela primeira vez, esta é realizada em Março/Abril na semana académica. Os caloiros só podem ser praxados por quem tiver o dobro das matrículas que ele, ou seja, no mínimo três, e estes são chamados de doutores ou veteranos se possuírem mais de três matrículas. Contudo existem universidades que os de segundo ano já podem praxar ou que os caloiros têm outros nomes.


Posso também dizer que as atividades que se costumam realizar é “encher” ou seja, flexões, também se realizam jogos e vários tipos de brincadeiras. E atenção, há pessoas que não podem “encher” por algum motivo de saúde, não se preocupem podem ir as praxes à mesma. Os praxantes perguntam se há alguém que possa fazer algum tipo de atividade ou se são alérgicos a alguma coisa, caso não perguntem informem. Existem também as praxes temáticas, por exemplo, a noite de azeiteiro, uma das que eu participei, onde tínhamos de ir vestidos o mais parolos possível, calças ao contrário, meias de fora, sapatos diferentes, coisas desse género, cabia à imaginação de cada um. É estranho sair à rua assim mas acreditem é muito divertido e vale mesmo a pena. Também existe a praxe do pijama, do penteado, do avesso, depende de cada comissão de curso.


Para acabar este texto, que já está longo, só tenho a dizer que as praxes são uma coisa ótima para nós. Ajuda-nos em muita coisa e não só a ser integrado no curso e na instituição como também nos ajuda a nós próprios. As praxes basicamente são brincadeiras, mas não se esqueçam das ratoeiras que podem existir. Entrem no espírito e divirtam-se, pois na altura pode parecer que não vão sentir saudades nenhumas daquilo, mas a verdade é que quando acaba as saudades realmente surgem. É um orgulho vestir o traje da nossa instituição e o dia da queima é simplesmente maravilhoso. Acreditem vale mesmo muito a pena. Não digam que não sem conhecerem, experimentem primeiro e tirem as vossas próprias conclusões depois.


Já sabem, qualquer dúvida é só perguntar.
Quem aí já frequentou a universidade e foi às praxes, como foi a vossa experiência? São a favor ou contra? E quem ainda não entrou na universidade, têm curiosidade?

28 comentários

  1. Obrigada pela tua visita no meu blogue,sim,esses bolos que publiquei a receita no blogue são deliciosos,fica com a receita,eu deixo que fiques!! Desejo-te um excelente fim-de-semana!!

    ResponderEliminar
  2. Bom post. Muito informativo. Gostei :)

    Beijinho ♥
    The-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Se seguisse para a universidade iria assinar a anti praxe. é uma coisa tão estúpida, por vezes.

    ResponderEliminar
  4. Eu ando na praxe e gosto muito! :)

    http://mundodablue.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Eu não fui às praxes pk não acho muita piada. Mas não sou anti-praxe. Acho que por vezes à universidades que têm demasiadas regras para os caloiros e praxes que duram muitos meses. Não fui e nunca me arrependi.

    Passa pelo blog e deixa as tuas perguntas:
    http://abpmartinsdreamwithme.blogspot.pt/2016/09/q-3-facam-as-vossas-perguntas.html

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Lovely post, dear!

    xx
    Aida
    http://espritdemode.blogspot.co.uk/

    ResponderEliminar
  7. Defende sempre que as pessoas devem, pelo menos, experimentar, porque só assim vão saber se se identificam ou não com a praxe. Também sou muito tímida, mas decidi que tinha que ir para criar a minha própria opinião e para ver se realmente me ia dar bem naquele contexto. Hoje posso afirmar que foi o melhor que fiz. Acabei por não aproveitar o meu ano de caloira da melhor maneira, mas por questões pessoais, no entanto, tenho memórias incríveis!
    Na minha faculdade somos praxados todos os dias, a qualquer hora do dia, e não há proximidade entre caloiros e académicos. E isso para mim faz-me todo o sentido, porque no dia do cortejo aquele abraço é muito mais especial. Lá está, cada faculdade tens as suas "regras" e as suas formas de agir. O importante é estarmos cientes disso e irmos com espírito de brincadeira.
    Quando algo nos incomoda, temos que informar, porque quem está à nossa frente pode ser muita coisa, mas não é adivinho. E se temos um problema e não contarmos essa pessoa não vai saber, por isso vai continuar a agir da mesma maneira. Se sentirmos que determinada praxe está a ir contra os nossos princípios morais e físicos, só temos que recusar. Eu sei que nem sempre é fácil fazê-lo, por vários motivos, mas dizer não é uma opção.
    Aquilo que me deixa triste é ouvir comentários de pessoas que nunca se deram ao trabalho de perceber o que é a praxe, mas pintam um cenário horrível só por causa do diz que disse.

    r: Vale mesmo a pena ir lá *.*

    ResponderEliminar
  8. Não cheguei a ir para a universidade, pelo menos por enquanto, e nunca tive ideia de prosseguir para a universidade portanto nunca pensei muito neste tema mas conhecendo-me como me conheço tenho a certeza que ia aderir e adorar a experiência :D

    Beijinhos, Hellen
    http://instantesimprovaveis.blogspot.pt/2016/09/corretor.html

    ResponderEliminar
  9. Não vejo qual a necessidade das praxes...


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  10. Como vês, até pode resultar bem :D

    eu sou um bocado contra. Deixei de ir às praxes porque os supostos Drs. não eram ninguém para berrar comigo se nem os meus pais o faziam; segundo aqui a praxe é física e noturna o que significava que no dia seguinte tinha aulas logo de manhã e que não podia ir para lá dormir; terceiro porque existem forma de integração bem melhores do que a simples "humilhação". Mas, claro, cada caso é um caso :P

    NEW PERSONAL POST | Moroccan Bath.
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  11. Interesting!!

    http://julesonthemoon.blogspot.it/

    ResponderEliminar
  12. Nunca achei muita piada às praxes por isso acabei por não fazer! Mas conheço muitas pessoas que adoraram!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  13. Então..acho que aqui pelo Brasil não tem disso, não que eu saiba. mas é bom ter ido, só assim pra saber né, se gosta ou não.
    vale a experiência.

    Bjim...
    blog Usei Hoje
    Instagram | Twitter | Fan Page

    ResponderEliminar
  14. gostei muito deste post e de ler sobre a tua experiência :p a praxe, como tudo, tem aspetos positivos e negativos mas acho que os positivos se sobrepõe aos negativos, visto que 99% das praxes se destinam a integrar os caloiros e são bastante divertidas :p
    beijinhos, Noelle :) http://supergirlinconverse.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  15. Gostei :)
    Eu nunca fui praxada, não segui para a universidade, apesar de agora me arrepender um pouco.
    Beijinho*
    Novo post no blogue
    http://thewhisperofphotography.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  16. Se for dentro dos padrões e não houver humilhação sou a favor.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  17. Concordo contigo, antes de dizer que não deve-se primeiro conhecer :)
    Eu confesso que não gostei muito das praxes, mas sei que isso foi por culpa dos veteranos que tive, gostei de alguns dias. O enterro do caloiro foi dos melhores dias de praxe que tive, também adorei trajar :)´
    É mesmo uma fase que deixa saudades :)

    Beijinhos ^^
    O blog da Mó | Instagram

    ResponderEliminar
  18. Gostei tanto do teu texto, tenho que dizerte que acho qu3 fizeste muito bem, mesmo muitooo bem, em escreve-lo. Tudo o que disseste vai servir para acalmar todos aqueles que andam sempre nervosoa com o facto de irem ser praxados ou nao. Bem beijinho.

    ResponderEliminar
  19. Eu andei na universidade de Coimbra e amei a praxe. Que saudades :(

    ResponderEliminar
  20. Que interessante, aqui no Brasil deve equivaler ao chamado trote. Qualquer dia faço um post falando disso tb.
    O meu trote foi tranquilo, fomos pintados, levamos ovadas, pedimos dinheiro no sinal rs Realmente tem muita gente que não gosta, mas na minha faculdade tb era optativo.
    Adorei o post!
    Bjus
    Taty
    Na Casa dos Abrantes
    Canal

    ResponderEliminar
  21. Engraçado tenho um post parecido para sair a semana que vem...
    Eu simplesmente adorei as minhas praxes...

    ResponderEliminar
  22. Adorei o teu post!! Para o ano vou para a universidade e estou com um pouco de receio das praxes! Mas claro que quero experimentar para ver se vou gostar ou não.
    Beijinhos

    https://annahandtheblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  23. Ola , gostei bastante do teu post e será muito util visto qje hoje é o meu 1° dia de faculdade. Os alunos que estao inseridos no horario pos laboral tambem sao praxados ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu penso que nao, ja que essas pessoas normalmente sao trabalhores estudantes e pessoas mais velhas, pelo menos nunca vi ninguem do pos laboral a ser praxado, ate porque as aulas acabam por ser a mesma hora que nas praxes (pelo menos aqui)

      Eliminar

Unborn 8.0 Black Pointer